Umha terra, um povo, umha fala (e duas normas pra grafá-la)

17-M: Dia das Letras Galegas, Dia Nacional da Noruega “Umha terra, um povo, umha fala, duas normas pra grafá-la” A AGAL volta ao Dia das Letras com outra encenaçom fantasiada, nesta ocasiom para evocar as semelhanças sociolinguísticas entre o caso galego e o norueguês, polo menos as semelhanças que esta…

Continuar a ler

Abrahan Bande Paz : Imagino uma Galiza construída a partir de iniciativas locais, sustentáveis, colaborativas, democráticas e justas”

  Abrahan nasceu no antigo concelho de Canedo, hoje Ourense, estudou Ciências Políticas e rumou primeiro para Dublim e depois para Barcelona onde há uma comunidade galega cada vez mais vibrante. É o motor do Atlas das nações sem Estado na Europa que a Através publicará no verão. Julga que…

Continuar a ler

Concha Rousia: “Os poemas aqui recolhidos são gritos denunciando a dor terrível que vivemos os galegos e galegas, vendo como a nossa riqueza cultural é moída pelas areias do tempo e o descuido dos poderes que não apenas não nos protegem, esses poderes nos

Concha Rousia apresenta em várias localidades da Galiza e Portugal o seu poemário ‘Se os carvalhos falassem’ uma das últimas novidades de Através editora. Daniel Amarelo Montero e Ernesto V. Souza, falam com ela, para saber do seu livro, da sua obra e da intensidade da sua voz poética numa…

Continuar a ler

Igor Lugris: “Para que vale hoje a poesia? Vale, como o resto das artes, para interpretar o mundo. Para a sua transformação há outras possibilidades. A literatura deve valer para explicar as coisas que, num mundo capitalista, não são o que parecem, e pare

  Igor Lugris, é por próprio direito e escolha cidadão da república das nossas letras, como tal não precisa qualquer apresentação, chega apenas com dizer que nasceu em Melide em 1971, que morou na Crunha e Compostela, que é licenciado em Filologia hispánica pela USC, poeta, crítico, criador, ativista e…

Continuar a ler