Joana Palha : “A AGAL, para mim, é uma associação muito tolerante, com ideias muito inovadoras e originais”

Valentim Fagim entrevista a nova sócia da AGAL, Joana Palha, portuguesa, mulher de formação de letras com interesse polos monstros e o grotesco na literatura. Julga que o teatro pode ser uma elo de interação entre a sociedade galega e portuguesa. Estudou galego num curso de verão do Ilg embora na rua fosse comum que lhe falassem em castelhano. Quer um relacionamento fluído a ambos lados da fronteira administrativa sem barreiras imaginárias.

Continuar a ler

Luzia Budinho : “Realmente o galego-português medieval nom se subdividiu em duas línguas diferentes, senom que por questons geopolíticas surgirom as distintas variedades tópicas atuais”

Como imaginas a Galiza de 2030? esta é uma das perguntas que muitas vezes fazemos às pessoas que entrevistamos. Entrevistamos Luzia Budinho, moça da Arçua de 17 anos, e recebemos umas quantas lições.

Continuar a ler

porquemepeta : “acreditamos em que estamos a tempo de mudar esta tendência, pensamos que cada vez há mais falantes “conscientes” e pais e maes que escolhem o galego como língua materna para os seus filh@s”

Valentim Fagim entrevista os promotores de “por que me peta!“, iniciativa com que um grupo de pessoas de Ourense decidiram celebrar o Dia das Letras de 2018, rendendo uma homenagem e fazendo uma festa em honor e agradecimento a todas as nenas e nenos que falam galego.

Continuar a ler